Início
 Revistas 
Livros Usados


Novidades

  • Devir

    Ruy Ventura

     Devir nº 3
  • Catar Catataus

    Paola D'Agostino

     
  • A arte das nostalgias

    Hugo Santos

     
  • Dois corpos nus despindo-se: dous c orpos nus espíndose

    Casimiro de Brito

     Co-autoria: Pura Salceda
    Edição bilingue português/galego
  • Morada

    Rui Pires Cabral

    "ESPLANADA

    Já sabemos quantas vezes a realidade
    se torna imprestável para ti
    e vice-versa.

    O sol aquece até ao futuro,
    é preciso continuar a meter o coração
    pelos atalhos."

    «Morada» recolhe, com emendas de maior ou menor importância, todos os livros de poesia publicados pelo autor, à excepção dos volumes de poemas-colagens que apareceram nos anos mais recentes. Inclui ainda «Evasão e Remorso» - um conjunto que não teve edição em livro, se bem que a maioria dos poemas que o compõem tenha já surgido em publicações diversas - e uma secção final com alguns dispersos e inéditos.
  • Manhã

    Adília Lopes

    «Manhã» é o mais recente livro de poemas de Adília Lopes. Começa com uma epígrafe lapidar de Alexandre O'Neill: «(Pesquisas fazem-se em casa, já dizia a minha avó, que era escritora)». Infância, memórias, momentos comoventes, desconcertantes ou paradoxais, como neste poema onde a autora nos fala de Palavras Caras:

    «Em minha casa, detestávamos pessoas bem-falantes, palavras caras. De uma vez, apareceu a prima Maria Lucília a dizer já não sei porquê:
    Fiquei muito confrangida.
    Passámos a chamar-lhe a confrangida.
    Sempre que aparecia alguém na televisão a declamar poesia ou a falar de poesia, desligávamos a televisão.»
  • Medir com as próprias mãos a febre

    Ricardo Domeneck

     
  • Os modos do mármore + 3 poemas

    Ondjaki

     
  • 1 Gato para 2

    Ricardo Tiago Moura

    «Somos assim
    princípios e verbo.
    Somos assim
    na mesma raiz
    torpes
    como versos.»

    (ilustrações e capa: André da Loba)
  • Já passei por aqui

    Daniel Maia-Pinto Rodrigues

    Já tenho dificuldade em me lembrar
    que luz usam os cavaloos para entreterem
    a paisagem, ou
    por que mãos eu bebia a claridade.

Eventos

  • 2016-12-01
    Sabores de Poesia no restaurante YOURS BISTRÔ
    Jantar com Recital de poesia no restaura...
  • 2015-06-30
    Tabernáculo Poético #11 - Camões e Pessoa
    Junho é o mês de Camões, Pessoa e dos sa...
  • 2015-06-12
    Segunda Sexta às Sete #12
    Na próxima sexta-feira, dia 12, a Cena P...

Destaques

H. D. fim do tormento. O livro de Hilda

Ezra Pound

 

Pleno emprego

Miguel Cardoso

 

O corvo

Edgar Allan Poe

 Trad. Fernando Pessoa e Machado de Assis

Os Lusíadas

Luís de Camões

Edição organizada por Emanuel Paulo Ramos
Ensinos básico e secundário