Início
 Revistas 
Livros Usados


Novidades

  • ContemSpoilers

    Luca Argel

    COMTEMSPOILERS de Luca Argel
    c/ CD LIVRO DE RECLAMAÇÕES de Luca Argel

    "/1973: we talk to each other on our dreams
    /«o céu aqui é mais lá em cima»
    /as bochechas da ostra, a dignidade da beterraba
    /mas doutra vez eu trago a flauta
    /e sempre salto os prefácios, sempre"
  • As Vozes do Silêncio

    AAVV

     "As vozes do silêncio — um grupo de sem-abrigo à conquista de cidadania" é uma obra singular editada pela APURO — Associação Filantrópica e Cultural. O livro reúne cerca de 80 pessoas, incluindo escritores e fotógrafos de reconhecido mérito e pessoas que já viveram nas ruas. Combina o registo documental, a reportagem e a crónica que dão conta da organização de pessoas com experiência de rua em associações, com poesia, conto, texto dramático, fotografia e ilustração.

    Os textos de Ana Cristina Pereira e do Professor de psicologia Luís Fernandes, servem de linha condutora do livro.


    (imagem: frente e verso do livro)
  • Rosas

    Dulce Maria Cardoso

    Repetir. Repetir. Repetir. Repetir.

    A importância de um gesto está sempre na repetição. Um gesto
    isolado pode muito bem nunca ter sentido.
    A importância de um gesto está sempre na repetição. Um gesto
    isolado pode muito bem nunca ser sentido.
    A banalização de um gesto está sempre na repetição. Um gesto
    repetido pode muito bem já não ser sentido.
    A banalização de um gesto está sempre na repetição. Um gesto
    repetido pode muito bem já não ter sentido.

    Rosas – Dulce Maria Cardoso
  • Cento e Onze Discos Portugueses A Música na Rádio Pública

    AAVV

     Este livro é resultado de uma iniciativa da Antena 3 para comemorar os oitenta anos da rádio pública em Portugal.
    Inicialmente pensado como antologia de discos simbólicos para a Rádio Portuguesa, transformou-se num projecto mais ambicioso, uma verdadeira antologia de discos fundamentais para contar a história da música portuguesa e, em paralelo, a da rádio pública no nosso país.

    Para dar sentido e consistência ao projeto, os organizadores convidaram investigadores, jornalistas, críticos, divulgadores e melómanos ligados ao universo radiofónico a fazer as suas escolhas e a defender os seus argumentos, daí resultando um apanhado da mais significativa música gravada e editada em Portugal da autoria de pessoas com papel determinante na divulgação de música no nosso país.

    Textos de:

    Adelino Gomes Álvaro Costa Ana Cristina Ferrão Ana Markl Ana Sofia Carvalheda André Cunha Leal António Freitas António Macedo Armando Carvalheda David Ferreira Edgar Canelas Fernando Alvim Henrique Amaro Inês Meneses Isilda Sanches Jaime Fernandes João Almeida João Carlos Callixto João David Nunes João Gobern João Lopes Joaquim Paulo José Duarte José Mariño Júlio Isidro Luís Filipe Barros Luís Montez Luís Oliveira Luís Pinheiro de Almeida Maria João Serra Mário Lopes Miguel Esteves Cardoso Nuno Artur Silva Nuno Calado Nuno Galopim Nuno Markl Nuno Reis Pedro Gonçalves Pedro Castelo Pedro Félix Pedro Ramos Ricardo Alexandre Ricardo Saló Ruben de Carvalho Rui Estêvão Rui Miguel Abreu Rui Pêgo Rui Portulez Tiago Pereira Viriato Teles Zé Pedro
  • Notícias de Horeb

    Maurício de Sousa

    Nº 11 da Colecção Poetas da Eufeme 

    Excerto

    VENTOS DE NOVO

    os ventos de horeb
    sopram agora melhor e são menos ínsitos
    ou mais preciosos - 

    são cada vez mais quânticos
    contra o céu e os céus e a nova sabedoria

    com aljavas de guano
    e promessas de poços de petróleo movem-se 
    por si sós 

    de novo em todas as direcções

    pp. 15
  • Performance na Esfera Pública

    AAVV

     Pode a performance arte hoje participar, construir e recriar o espaço público? Como podem os mundos criados pela performance reconfigurar as possibilidades políticas, éticas e estéticas do encontro com o outro, de acção no mundo e da relação entre a esfera privada e pública?

    Estas são as questões de fundo que norteiam os 11 ensaios e as 9 páginas de artistas reunidos neste volume, publicado por ocasião do centenário da conferência futurista de Almada Negreiros, marco inaugural de uma possível história da performance portuguesa.

    Inclui contributos de Claire Bishop, Peggy Phelan, Bojana Cvejic e Ana Vujanovic, Eleonora Fabião, Christof Migone, Guillermo GómezPeña, Ana Bigotte Vieira, Sandra Guerreiro Dias, Ana Borralho e João Galante, entre outros.
  • Escrito no Vento - Paroles de Vent

    Zlatka Timenova, Casimiro de Brito

     O livro “Escrito no Vento/Paroles de Vent” (Renku) de Zlatk Timenova e Casimiro de Brito já está disponível, sendo uma edição bilingue Português/Francês e o primeiro de uma nova colecção de Poesia da Eufeme.

    O poema a duas vozes que oferecemos hoje é uma forma poética usada no Japão desde o século XIV, intitulada de início Renku (連얌) ou haikai no renga (母諧ㅞ連멱). É cantada por dois poetas, sob a forma de haiku, num “duelo” poético extremamente vivo e tão original quanto possível. Forma essa que Casimiro de Brito já praticou duas vezes: a primeira com o grande poeta Bashô, respondendo com poemas seus aos poemas do Mestre, sem o Mestre saber, pois viveu entre 1644 e 1694. Esse poema, composto por 110 haiku, foi publicado em Faro, numa edição raríssima, em 2001. O outro renku (“Através do Ar”) foi escrito com o poeta japonês Ban’ Ya Natsuishi, em quatro línguas (português, japonês, inglês e francês) e foi editado em Tokyo em 2007.
    O livro Escrito no vento/Paroles de vent, que a Editora Eufeme oferece aos seus leitores, é um novo “duelo/diálogo”. Os dois protagonistas são Casimiro de Brito e Zlatka Timenova e as figuras deste poema-duelo são realizadas em francês e português, com as respectivas traduções pelos próprios poetas.
  • Sei porque canta o pássaro na gaiola

    Maya Angelou

     Grandioso livro de memórias, Sei porque Canta o Pássaro na Gaiola (1969) é uma poética viagem de libertação e um glorioso bater de asas num mundo opressivo.

    Este relato inspirador da infância e da juventude da autora, nos anos 30 e 40, devolve-nos o olhar de uma extraordinária criança sobre a violência inexplicável do mundo dos adultos e a crueldade do racismo, na procura da dignidade em tempos adversos.

    Do Arkansas rural às cidades da Califórnia, Maya Angelou traça neste livro um tocante retrato da comunidade negra dos Estados Unidos, durante a segregação, e de uma consciência que, incapaz de se resignar, desperta rumo à emancipação.

    Um clássico americano que marcou gerações e que conserva toda a sua actualidade.
  • Alto-mar

    Katia Maciel

    Organizado pela poeta e artista plástica Katia Maciel, Alto-mar reúne os poemas de 26 autoras que coincidem num ponto: a presença da palavra “mar” em todos os poemas desta coletânea, ampliando as múltiplas vozes de poetas mulheres na poesia contemporânea.
  • Teatro Escolhido

    José de Almada Negreiros

     O teatro é uma arte total que centra, em Almada Negreiros, as suas muitas artes. As peças aqui reunidas formam um dos auto-retratos mais fiéis de um grande modernista português.

Eventos


  • ...

Destaques

A morte é uma flor

Paul Celan

 "Este último livro de Paul Celan teve, assim, desde logo uma dupla e ambígua destinação, já que os poemas que o integram, tendo sido destinados ao silêncio, ficaram afinal disponíveis para a revelação (poderíamos aplicar aqui o pensamento final do ensaio de Blumenberg: 'Só virtualmente há últimos livros'). Mas nos poemas do espólio de Paul Celan fala um duplo silêncio, ou manifesta-se um duplo silenciamento: o dos poemas retirados (que a publicação arrancou à sombra do silêncio) e o da linguagem que se retira (se rarefaz) para deixar agigantar-se, sem o lastro diluidor do discursivo, a memória dos mortos e a História dos seus assassinos, na nudez e na dureza de uma linguagem nua, no fio da navalha."
*Excerto do posfácio de João Barrento, "Memória e silêncio"

Fragmentos de Píndaro

Friedrich Holderlin

 Entre 1803 e 1805, ao que tudo indica e tanto quanto é possível determinar aproximadamente uma data, Friedrich Hölderlin traduziu e intitulou nove fragmentos de Píndaro, juntando a cada uma das peças um comentário em prosa. Estes textos, conhecidos como os Fragmentos de Píndaro — em algumas edições designados também por «comentários» ou «anotações» — são considerados não apenas como o último trabalho do longo percurso de Hölderlin como tradutor, mas muitas vezes também como a sua última «obra», intencional ou sistemática, antes do início do segundo período da sua vida em Tübingen, que se estende de 1806 a 1843. Pela concisão cortante da sua forma e pela força da reflexão lapidar que contêm, os Fragmentos de Píndaro constituem um objecto insólito e propriamente inclassificável no conjunto de tudo o que Hölderlin escreveu. Mas representam também um ponto culminante no seu confronto com a questão obsessiva e fundamental da relação do poeta moderno com a sombra, tão insuperável quanto incontornável, da Antiguidade.

Obra Poética

Saúl Dias

 

Janelas altas

Philip Larkin